Dicas para desenvolver o paladar de crianças

Beliscar, ou ser seletivo com comida, faz parte do curso da infância. Algumas crianças não serão nunca bons garfos. Outras, que comem qualquer coisa até os 18 meses de idade, de repente comerão dois ou três alimentos diferentes aos 2 anos.

As crianças não beliscam alimentos para sempre
©iStockphoto.com/eurobanks
As crianças não beliscam alimentos para sempre

Crianças tipicamente desenvolvem hábitos alimentares extremamente limitados. Medo de novos alimentos, ou neofobia, é, em parte, uma adaptação evolutiva criada para proteger nossos ancestrais de comer substâncias perigosas. Mas a neofobia alimentar, junto com uma dieta somente de salgadinhos e uma simples recusa a comer o que está no prato, também são um fenômeno do desenvolvimento.

Primeiro, os botões de gosto (pequenos receptores na língua que percebem o sabor) das crianças não estão totalmente formados, então elas, literalmente, não têm paladar para todos os alimentos que os adultos comem. Do ponto de vista psicológico, crianças pequenas não são muito fãs de variedade em geral (observe a insistência de um pequenino em usar aquela camiseta amada todos os dias), e elas também estão em processo de reivindicar sua jovem independência. Que melhor maneira de dizer "Você não manda em mim" do que não comer o que a "mandona" cozinha?

O problema, claro, é que a dieta de salgadinhos apenas não têm todos os nutrientes que uma pessoa precisa. Mais, a disposição de experimentar novos e diferentes alimentos na tenra idade pode ser um bom começo para um hábito duradouro de abertura a novas ideias. Por isso, os pais continuam tentando expandir o paladar de seus filhos pequenos, com resultados variados.

Embora não exista nenhum método infalível para tirar os filhos desse padrão de comportamento alimentar, há algumas maneiras de aumentar as chances de sucesso:

Deixe as crianças ajudarem

Envolver as crianças na escolha e no preparo de novos alimentos torna-as mais propensas a decidir comê-los. Leve-as com você à feira ou ao supermercado e deixe-as escolher os vegetais do almoço ou do jantar. Quando for prepará-los, dê a elas uma tarefa, como salpicar o sal (já separado na quantidade certa por você) ou mexer o molho.

Torne a comida divertida

Se comer é uma atividade, em vez de um fardo, um beliscador pode esquecer que é tão seletivo. Uma criança de 18 meses adora mergulhar coisas, por isso sirva o novo alimento com um molho de que ela já goste. Ou prepare algo novo, como snacks coloridos para a hora do chá.

Limite doces e salgadinhos

Se a criança se entupir de suco e salgadinhos, é menos provável que ela coma as cenouras não-tão-doces e o frango temprado que estão no prato na hora do jantar.

Evite a tentação da comida bege

Macarrão, frango empanado e batatas fritas são legais, mas não exclusivamente. Não opte automaticamente pelo menu de comidas beges quando sair; peça as meias-proções coloridas para crianças da "comida para adultos", ou divida a sua entrada.

Você sabia?
O medo de novos alimentos é chamado de neofobia. Ele implica aversão ("Eu não gosto desse sanor"), percepção de perigo ("Esse alimento não parece seguro") e nojo ("Tira isso da minha boca agora!"). O nojo é mais frequentemente associado à textura.
Persista

Você pode ter de introduzir um novo alimento dúzias de vezes antes que elas o provem. Exposição é a chave. Continue colocando-o no prato, e há chances de que elas eventualmente o comam.

Apenas tenha em mente que "persistir" não significa "insistir". Forçar seus filhos a comer algo não fará nenhum bem além de proporcionar algum valor nutricional momentâneo, e provavelmente acabará produzindo uma pessoa com problemas alimentares e para comer.

Mas enquanto a criança não estiver em perigo (se você estiver preocupado com deficiências nutricionais, contate um pediatra), as chaves para desenvolver o paladar de uma criança são paciência, flexibilidade e uma dose saudável de perspectiva: há 99% de chance de que elas irão superar o hábito de beliscar tão naturalmente quanto superaram o hábito de mastigar os próprios pés.